UERJ I IMS I FAPERJ

icon

EDITORIAL

Questões relativas à sexualidade configuram o tema principal do quarto número da REVISTA EPOS. Os artigos de Cristiane Oliveira, “Emergência histórica da sexualidade infantil no Brasil”, de Simone Perelson, “Transexualismo: uma questão do nosso tempo para o nosso tempo”, e de José Henrique Rodrigues Torres, “Aborto, legislação comparada” abordam de forma multifacetada o assunto.

Dando relevo ainda ao tópico, reproduzimos aqui o artigo “Destinos da diferença sexual na cultura contemporânea”, de nossa colega e companheira querida, Márcia Arán (1964-2011), falecida em abril, e a quem dedicamos este número da REVISTA EPOS. Psicanalista, professora adjunta do Instituto de Medicina Social da UERJ, autora do livro “O avesso do avesso, feminilidade e novas formas de subjetivação” (GARAMOND, 2006) Márcia Arán dedicava-se ultimamente à construção teórica da despatologização da transexualidade e à elaboração de políticas públicas voltadas para a população de transgêneros e transexuais.Originalmente publicado na REVISTA ESTUDOS FEMINISTAS, nos foi gentilmente cedido por suas editoras, Mara Coelho de Souza Lago e Susana Bornéo Funck, que se juntaram a nós nessa homenagem póstuma a Márcia, e a quem agradecemos. Nossos sinceros agradecimentos igualmente a Maria Andréa Loyola e a Marilena C. D. V. Corrêa pela disponibilidade de apresentar o artigo de Márcia Arán, ressaltando sua consistência e originalidade.

Os demais artigos publicados nesse número: “Psicologia e sistema penal”, de Maria Lúcia Karam, “O espetáculo do saber: corpos, imagens e materialidades médicas”, de Wedencley Alves, e “A esperança na família: uma leitura psicanalítica do acolhimento institucional”, de Fernanda Hermínia Oliveira Souza e Eduardo Leal Cunha tratam de outros temas contemporâneos. Refletem as discussões do GRUPO EPOS em torno de suas problemáticas centrais: biopolítica, genealogias, subjetivações e violências.

Encerrando a revista, a resenha “Freud indica: os caminhos da criação”, de Ana Beatriz Lima da Cruz, visita os dois últimos volumes da coleção “Para ler Freud”, organizada por Nina Saroldi, apontando a vitalidade e fertilidade do pensamento freudiano para uma reflexão sobre a contemporaneidade.

Helena Bocayuva
Silvia Alexim Nunes